Blog Logisc

Brasil gasta cerca de R$ 811 bilhões por ano com logística

Brasil gasta cerca de R$ 811 bilhões por ano com logística

O valor corresponde a 12,3% do PIB nacional

por Fernando Rotta

O custo de logística é um desafio para o Brasil. O país tem dimensões continentais e é a quinta maior nação do mundo em extensão territorial. Mais de 12% de todas as riquezas do Brasil são consumidas com logística?—?soma de transporte (60%), estoque (31%), armazenagem (5%) e administrativo (4%)?—?segundo a Ilos, consultoria especializada em logística. O presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Guto Ferreira, aponta que este é um dos principais gargalos para a crescimento da economia. “Os gastos com transporte, armazenamento e estocagem ultrapassam o espaço ocupado pela indústria no PIB?—?11,8%, segundo dados do IBGE. Nosso sistema atual de transporte de carga, baseado em rodovias, acarreta um custo elevado para o país”, diz o presidente da ABDI.

» ABDI e FGV preparam maior estudo já feito no Brasil sobre rotas logísticas

Dados da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) apontam que de cada 10 produtos transportados no Brasil, seis são enviados por rodovias. As ferrovias são utilizadas em 20,7% dos deslocamentos e o transporte aquaviário responde por 13,6%. Encerram a lista os tipos dutoviário (4,2%) e aéreo (0,4%). Para o diretor de relações internacionais da CNT, Harley Andrade, a diversificação da malha é uma necessidade. “Nós transportamos a maioria das nossas cargas por estradas. Nas rodovias, temos uma série de problemas como pavimentação e manutenção”, aponta. Um relatório da CNT indica que nas estradas pavimentadas, 61% apresentam problemas. “Isso consome muitos recursos. É caro para quem contrata e é pouco remunerado para quem opera”.

Segundo o ranking do Banco Mundial de desempenho logístico, de 2014, o Brasil aparece na 65º posição. Comparado às economias emergentes dos BRICS (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o país fica apenas na frente da Rússia. A África do Sul, por exemplo, aparece 31 posições à frente, ocupando o 34º lugar.

O presidente da ABDI, Guto Ferreira, destaca que a diversificação da matriz é um caminho para melhorar a eficiência. “Aumentar o escoamento de cargas por outros modais é um passo fundamental para diminuir o custo. Pelo Plano Nacional de Logística e Transportes (PNLT), o ideal é aumentar a participação de trens e navios”. Segundo o PNLT, a participação de ferroviais deveriam aumentar para 35% e de hidrovias para 29% tornando o sistema brasileiro mais equilibrado.

Centro Global de Inovação em Logística

Ferreira ainda aponta que o Brasil precisa investir em tecnologia. “Pensando nisso, a ABDI firmou uma parceria com HyperloopTT para instalar um Centro Global de Inovação em Logística no país. Outras iniciativas como essa precisam ocorrer para que o Brasil possa encontrar soluções e alternativas”. Com operações previstas ainda para este ano, o centro da Hyperloop abrigará a divisão de pesquisas de logística, um laboratório de fabricação e um ecossistema de empresas líderes globais, startups, universidades, inovadores, cientistas e governos do mundo inteiro que estejam focados em resolver crescentes demandas em logística. O centro será instalado em Contagem (MG) e terá investimento de R$ 26 milhões.

“O Estado de Minas Gerais e o município de Contagem, em particular, são um dos centros de distribuição de carga mais importantes para o Brasil”, diz Bibop Gresta, presidente da HyperloopTT. “Com uma posição geográfica estratégica, uma alta concentração de grandes indústrias, e uma dedicação à inovação, é o local ideal para o Centro Global de Inovação em Logística da HyperloopTT”, disse.

Investimento

Pelos cálculos da CNT, para o Brasil atingir excelência em logística seria necessário o investimento de R$ 1 trilhão. “A inovação é fundamental, mas não é tudo. Um aplicativo não resolver, por exemplo, a falta de uma estrada ou de uma ferrovia”, relata Harley Andrade. O diretor de relações internacionais da CNT ainda destaca que o investimento precisa ocorrer em todos os setores, não apenas nas rodovias, e também em todo o país.

As estações aduaneiras de interior, também chamadas “portos secos”, estão mal distribuídas. O estado de São Paulo concentra a maioria destas estruturas, 28 das 62 de todo o Brasil. Em contraste, as regiões Nordeste e Norte têm duas estações cada, localizadas em Recife e Salvador, Belém e Manaus. A região Sul apresenta 11 cidades com portos secos e o Centro-Oeste, três. Apesar da extensa linha de fronteira do Brasil com o Peru, a Bolívia e a Colômbia, é na fronteira com a Argentina, o Paraguai e o Uruguai?—?países que, junto ao Brasil, compõem o Mercosul desde sua criação?—?que as interações entre os países vizinhos são mais dinâmicas, havendo, portanto, maior ocorrência de postos da Receita Federal.

fonte: https://medium.com/abdi-digital/brasil-gasta-cerca-de-r-811-bilhões-por-ano-com-logística-df13f7269190